Facebook excluiu 140 mil posts com informações falsas sobre eleição municipal

Facebook excluiu 140 mil posts com informações falsas sobre eleição municipal

Facebook anunciou, nesta segunda-feira (23), que excluiu mais de 140 mil publicações com informações falsas ou incorretas sobre as eleições municipais deste ano no Brasil.

Os conteúdos, que, segundo a rede social, violavam a política contra interferência no processo eleitoral, foram removidos durante a campanha para o primeiro turno, que ocorreu em 15 de novembro.

De acordo com a empresa, as publicações tinham conteúdos que poderiam desencorajar eleitores a votar, como, por exemplo, horários errados para a votação.

Um estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostrou que as eleições municipais causaram crescimento de postagens com informações falsas nas redes sociais; entre elas, publicações que também duvidam do sistema eleitoral brasileiro. De acordo com dados do Laboratório de Democracia Digital da FGV, 2020 foi o segundo ano eleitoral com mais publicações falsas nas redes sociais, ficando atrás apenas de 2018.

Nos primeiros nove meses deste ano, o Facebook registrou 17.958 links que levavam para conteúdos falsos tratando do processo eleitoral — a maioria levantando dúvidas sobre fraudes ou confiabilidade das urnas eletrônicas. As publicações tiveram cerca de 1,5 milhão de engajamentos, como curtidas, comentários e compartilhamentos. 

O Facebook também informou que rejeitou o pedido de inclusão de 250 mil anúncios políticos que não continham a classificação de propaganda eleitoral.

“Desde agosto, qualquer pessoa ou organização que quiser fazer publicidade sobre política ou eleições no país precisa passar por um processo de autorização, confirmando sua identidade e residência no Brasil”, informou a empresa.

Para impulsionar a visualização de informações confiáveis, o Facebook adicionou um aviso no topo do feed de notícias que convidava os usuários a se preparar e conferir os protocolos sanitários para o dia da votação no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Segundo a rede social, cerca de 3 milhões de pessoas clicaram para saber mais informações. 

Fonte: CNN